Síria diz que ocupação israelense é a principal causa da crise

O vice-presidente sírio, Farouk al-Shara, disse nesta quarta-feira que a "ocupação" israelense de diferentes áreas de outros países é a principal razão da atual crise na região e da escalada de violência nos territórios palestinos e no Líbano."A ocupação é a principal fonte e causa de provocação contra os povos palestino e libanês, e por isso existe uma resistência nacional no Líbano e na Palestina", disse Shara em Damasco após reunir-se com o secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã, Ali Larijani.Além disso, o vice-presidente sírio assinalou que o desenvolvimento da atual crise no sul do Líbano e nos territórios palestinos "depende da resistência da Palestina e do Líbano, e de seus partidos que decidem o que fazer e por que".As palavras de Shara parecem uma resposta implícita ao primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, que declarou nesta quarta que a "Síria demonstra a si mesma que é um Estado terrorista em sua natureza", horas depois da captura por milicianos do Hezbollah de dois soldados israelenses em território libanês."É um governo que apóia e encoraja atividades assassinas de organizações terroristas, tanto dentro de suas fronteiras como fora delas. Naturalmente, estão sendo realizados preparativos para se tomar as medidas apropriadas contra a Síria", afirmou Olmert.Por outra parte, o grupo palestino Hamas felicitou nesta quarta o grupo xiita libanês Hezbollah pela captura dos dois soldados israelenses.Em comunicado, o grupo palestino estendeu suas felicitações à direção do Hezbollah, a seu secretário-geral, o xeque Hassan Nasrallah, assim como ao povo palestino e à nação árabe e muçulmana "pelo êxito obtido pelos combatentes da resistência islâmica após a captura de dois soldados israelenses"."Esta operação, que ocorre duas semanas depois da captura de um soldado em Gaza, demonstra a fraqueza do exército israelense que se vangloria de ser invencível", assinala a nota do Hamas.O Hezbollah capturou nesta quarta-feira de manhã dois soldados israelenses na aldeia fronteiriça libanesa de Aita Shaab e se mostrou disposto a trocá-los por detidos nas prisões israelenses.Em represália, a aviação, a artilharia e a marinha israelenses bombardearam várias regiões do sul do Líbano, matando duas pessoas e ferindo cinco civis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.