Síria e Líbano aceitam negociar demarcação de fronteiras

Um dia depois de anunciarem que restabelecerão relações diplomáticas plenas, os líderes da Síria e do Líbano afirmaram hoje que concordaram em negociar a demarcação de suas fronteiras, antiga demanda libanesa para normalizar os laços com os sírios. Por meio de um comunicado conjunto, os presidentes do Líbano, Michel Suleiman, e da Síria, Bashar Assad, anunciaram a criação de uma comissão para definir os limites territoriais.A fronteira entre o Líbano e a Síria permanece indefinida desde que os dois países se tornaram independentes da França, em 1943. Ontem, Suleiman foi recebido com tapete vermelho por Assad, no primeiro encontro bilateral entre chefes de Estado em três anos. A Síria dominou o Líbano por quase 30 anos até 2005, quando o ex-primeiro-ministro Rafic Hariri foi morto em um atentado em Beirute deu início a um período de contínua turbulência na região.Suleiman, que foi comandante do Exército libanês antes de tornar-se presidente, descreve suas relações com Damasco como excelentes. Questionado sobre se o acordo inclui as Granjas de Shebaa, ocupadas por Israel e reivindicadas pelo Líbano, o Ministro de Relações Exteriores libanês, Walid Mualem, afirmou que a definição sobre essa região não pode acontecer sob ocupação. Israel considera as Granjas de Shebaa como parte das Colinas de Golã, ocupadas desde 1967, quando ocorreu a Guerra dos Seis Dias. Apesar de a Organização das Nações Unidas (ONU) considerar o território parte integrante da Síria, Damasco e Beirute afirmam que a região é parte do sul do Líbano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.