Síria e Líbano rejeitam conferência de paz de Sharon

A sugestão do primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, de árabes e israelenses se reunirem numa nova conferência de paz é na verdade uma "manobra suja que é totalmente rejeitada", escreveu hoje em editorial o jornal do partido governista da Síria, Al-Baath. A resposta oficial libanesa à idéia foi igualmente fria. Segundo um comunicado divulgado nesta terça-feira pelo escritório do presidente Emile Lahoud "tal conferência está fadada a fracassar e reiniciaria o conflito na região".A participação da Síria e do Líbano na conferência seria crucial. O secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, que está percorrendo a região numa missão de paz, levantou a idéia segunda-feira em encontros separados com Lahoud e o presidente sírio, Bashar Assad.Outro jornal sírio, o Syria Times, informou que a proposta de Sharon "é uma tentativa de empurrar o processo de paz de volta ao ponto de partida, pensando que pode abolir tudo que foi alcançado nos últimos 11 anos e recomeçar um processo de barganha que pode durar outros 11 anos".Em Londres, o secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, afirmou que a proposta de Israel era "ilógica" e que "parece mais uma campanha de relações públicas do que uma ação séria". Mossa disse que ministros do Exterior árabes expressaram "completas dúvidas sobre as intenções do governo israelense."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.