Síria e Liga Árabe chegam a acordo para fim da violência

Comunicado oficial será feito no Cairo na quarta-feira; aviso foi dado pela TV estatal de Damasco

Agência Estado

01 de novembro de 2011 | 15h15

DAMASCO - A Síria e a Liga Árabe chegaram a um acordo para implementar um plano que leve ao final da violência e um comunicado formal deverá ser anunciado na quarta-feira, na sede da Liga Árabe, no Cairo, informou a televisão estatal síria.

 

Veja também:

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

"A Síria e a Liga Árabe chegaram a um acordo sobre um plano a respeito da situação na Síria e um anúncio formal será feito amanhã na sede da Liga Árabe", disse a reportagem veiculada nesta terça-feira, 1º.

 

A informação foi confirmada pelo ministro de Exteriores da Argélia, Mourad Medelci, de acordo com o canal pan-árabe Al-Arabiya. Não foram dados mais detalhes. Diplomatas egípcios e argelinos reunidos no Cairo também não souberam informar nada sobre o pacto.

 

Os ministros da Liga Árabe se encontraram com autoridades sírias no Catar no domingo para negociar um fim à sangrenta repressão conduzida pelo regime do presidente Bashar Assad contra a oposição, que há mais de sete meses conduz uma revolta para derrubar o regime autocrático.

 

Diplomatas árabes disseram que os ministros propuseram a libertação imediata de todos os prisioneiros feitos desde fevereiro, a retirada das forças de segurança das ruas, a permissão para a entrada de monitores da Liga Árabe e o início do diálogo com a oposição.

 

O primeiro-ministro catariano, xeque Hamad bin Jassim al-Thani, que chefia o comitê da Liga Árabe responsável pelas negociações, também afirmou que Assad deve conduzir reformas para que o país evite novos episódios violentos.

 

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 3 mil pessoas já morreram no país por conta da violência. O governo sírio, que culpa "grupos armados e terroristas" pelos confrontos, afirmou 1,1 mil soldados foram mortos desde o início dos combates. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.