Khaled al- Hariri/Reuters
Khaled al- Hariri/Reuters

Síria e rebeldes trocam acusações sobre explosões em áreas residenciais

Opositores são acusados de provocar a morte de 16 pessoas, mas argumentam que o exército matou 70

estadão.com.br,

26 de abril de 2012 | 08h38

BEIRUTE - A mídia estatal síria acusou nesta quinta-feira, 26, oposicionistas do regime de Bashar Assad de terem acidentalmente detonado explosões que ontem mataram pelo menos 16 pessoas e destruíram áreas residenciais da cidade central de Hama.

Veja também:

linkForças sírias retomam ataques contra oposição

linkAnnan diz que situação na Síria é 'desoladora' apesar de avanços

Ativistas sírios, no entanto, têm uma versão diferente do que aconteceu e falam que forças do regime bombardearam o bairro nesta quarta-feira, 25, habitado por uma maioria de famílias vindas de Homs, fugindo da repressão.

Opositores dizem que 70 pessoas morreram nos ataques, a Rede Síria de Direitos Humanos apontou 68 vítimas e a Comissão Geral da Revolução Síria calculou 71.

Não foi possível fazer uma avaliação independente dos relatos porque o governo sírio, que há treze meses enfrenta um levante popular, restringiu o acesso de jornalistas e outras testemunhas à cidade.

Com o prosseguimento da violência na Síria, apesar do acordo de cessar-fogo patrocinado pela ONU e que entrou em vigor no último dia 12, a comunidade internacional está ficando cada vez mais impaciente com o regime de Assad.

Na quarta-feira, a França levantou a possibilidade de intervenção militar na Síria e disse que a ONU deveria considerar medidas mais duras se fracassar o plano de paz elaborado pelo ex-secretário geral da entidade e mediador do conflito, Kofi Annan.

As informações são da Associated Press, Efe e AE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.