Síria e Venezuela querem "construir um novo mundo" livre do controle dos EUA

O presidente da Venezuela disse nesta quarta-feira que ele e a Síria irão "construir um novo mundo" livre da dominação norte-americana."Nós decidimos ser livres. Queremos cooperar com a construção de um novo mundo, onde a autodeterminação dos Estados e pessoas são respeitados", disse Chávez após encontro de duas horas e meia com o presidente da Síria, Bashar Assad, em seu palácio presidencial em Damasco. "O interesse do imperialismo é controlar o mundo, mas não os deixaremos (controlar) apesar da pressão e agressão", disse o líder venezuelano, através de intérprete. Ao chegar no aeroporto de Damasco, na terça-feira, Chávez disse que os dois países concordaram em fazer frente aos EUA. "Temos a mesma visão política e iremos resistir juntos à agressão imperialista americana", afirmou.Fotos dos dois presidentes foram espalhadas pelas ruas do centro de Damasco, e Chávez passou de carro por milhares de sírios que agitavam bandeiras venezuelanas e faixas, no caminho ao encontro com Assad. Os dois líderes, sobre um tapete vermelho, entraram no Palácio do Povo, com saudação de salva de balas de 21 armas . Assad disse ter ganhado o apoio de Chávez à Síria e aos palestinos."A posição do presidente Chávez é conhecida e ouvimos hoje: apoio à Síria na reconquista de seus territórios ocupados, e apoio ao povo palestino na obtenção de seus direitos nacionais, no estabelecimento de um Estado independente, em acréscimo ao desejo de ajudar o Líbano no período pós-guerra", disse Assad em coletiva de imprensa com Chávez. Israel tomou as Colinas de Golã da Síria na Guerra dos Seis Dias em 1967, e a Síria ainda considera sua a região estratégica ocupada por Israel.Assad disse que a Síria e a Venezuela concordam que deveria haver um cronograma para a retirada das tropas lideradas pelos EUA no Iraque. Ele afirmou também o apoio de Damasco à candidatura de Caracas por uma cadeira como membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU em 2007-2008. Com a supervisão de Chávez e Assad, delegados dos dois países assinaram um total de 13 acordos políticos e econômicos.Assad recebeu Chávez no aeroporto na terça-feira à noite e agradeceu seu apoio às nações do Oriente Médio. O presidente sírio classificou a visita de Chávez como "histórica" aos repórteres. "Apreciamos seus sinceros sentimentos pelas pessoas que não têm seus direitos e sob ocupação, assim como seus sinceros sentimentos humanitários e morais", disse Assad através de intérprete. Chávez disse que ele e a Síria compartilhavam uma postura "firme e decisiva" contra o "imperialismo" e as tentativas norte-americanas em busca da "dominação".Chávez criou fortes laços com o Irã, Síria e outras nações do Oriente-Médio, enquanto suas relações com os EUA e Israel têm se tornado mais tensas.Dias atrás Chávez comparou os ataques do Exército de Israel no Líbano ao Holocausto, e retirou o embaixador da Venezuela de Israel. O Estado judeu respondeu retirando o seu embaixador da Venezuela, e criticou o que chamou de "política unilateral" de Chávez. Perguntado sobre a visita de Chávez à Síria, o porta-voz do governo americano, Tom Kasey, afirmou que o líder venezuelano deveria lembrar Damasco sobre suas obrigações internacionais de prevenir o recebimento de armas por parte do Hezbollah. Ele citou uma resolução da ONU que demandava o desarmamento de todas as guerrilhas no Líbano, e a resolução de 14 de agosto pelo cessar-fogo, e que também demandava um embargo de armas contra o Hezbollah. Um editorial no jornal estatal sírio Tishrin chamou Chávez de "bravo homem", e afirmou que a visita mostrava que os dois países "estão na mesma trincheira, pois o inimigo é o mesmo"."Damasco recebe hoje um homem de propósitos sólidos[...]que encara grandes desafios e diz ´não´ às políticas e planos norte-americanos", segundo o editorial do Tishrin. A visita de Chávez propicia "apoio e suporte às forças da justiça, liberdade e independência", afirmava o editorial no jornal do partido da situação Baath.Texto ampliado às 12:45 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.