Síria encaminha plano para destruir armas químicas

A Síria encaminhou detalhes de seu programa de armas químicas e de um plano inicial para destruí-las à Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq). Em nota, a Opaq disse que a Síria concluiu sua declaração, como parte de um rígido e ambicioso cronograma para eliminar o estoque de armas químicas sírio até meados de 2014.

Agência Estado

27 de outubro de 2013 | 21h09

O grupo, sediado em Hague, disse que a Síria fez a declaração na quinta-feira. O anúncio oferece "a base a partir da qual os planos são concebidos para uma sistemática, total e comprovada destruição das armas químicas e das fábricas declaradas". Tais declarações feitas para a organização são confidencial. Nenhum detalhe do programa sírio foi divulgado. A declaração de Damasco inclui um plano geral de destruição que será apreciado pelo conselho executivo de 41 nações em 15 de novembro.

A Síria já deu detalhes preliminares da Opaq quando declarou que seu ingresso à organização em setembro. O movimento do governo sírio reduz a possibilidade de uma ação militar dos Estados Unidos na Síria, a qual os EUA consideraram depois de um ataque químico no subúrbio da capital Damasco, em 21 de agosto.

Os inspetores da Opaq visitaram a Síria este mês e deram início à inspeção aos trabalhos de destruição para garantir que as máquinas utilizadas na fabricação das armas químicas não mais funcionem. Acredita-se que a Síria possua 1 mil toneladas métricas de armas químicas, incluindo gás mostarda e sarin.

A declaração de Damasco inclui um plano geral de destruição que será apreciado pelo conselho executivo de 41 nações em 15 de novembro. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.