Síria envia reforços para vila cristã

O governo sírio enviou reforços, que incluem tanques e veículos blindados, para uma vila predominantemente cristã ao norte de Damasco onde rebeldes entraram em confronto com tropas do regime nesta semana, informou um grupo de monitoramento nesta sexta-feira.

Agência Estado

06 de setembro de 2013 | 11h05

Combatentes da oposição, liderados por uma facção ligada à Al-Qaeda, atacaram a cidade de Maaloula na quarta-feira, e entraram no local um dia depois, antes de deixar a cidade na noite do mesmo dia. O ataque elevou os temores de minorias religiosas na Síria a respeito da existência de extremistas islâmicos nas fileiras rebeldes, que lutam para derrubar o regime do presidente Bashar Assad.

As forças do governo enviadas a Maaloula tomaram posições dentro da vila, que ainda está sob o controle de milícias pró-regime, informou Rami Abdul-Rahman, diretor do Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, grupo sediado em Londres. Ele disse também que ocorreram confrontos nesta sexta-feira ao redor da vila, onde estão dois dos mais antigos monastérios da Síria, Mar Sarkis e Mar Takla.

O ataque é liderado pelo Jabhat al-Nusra, uma das mais eficientes facões rebeldes e um grupo que os Estados Unidos consideram como organização terrorista. Fazem parte do grupo sírios e combatentes estrangeiros provenientes de países muçulmanos.

O governo sírio tem enfatizado o papel de estrangeiros que lutam com os rebeldes para justificar sua afirmação de que o regime de Assad combate uma conspiração apoiada pelo exterior.

A televisão estatal síria informou nesta sexta-feira que o governo oferece 500 mil libras sírias (US$ 2.800) pela entrega de um combatente estrangeiro e 200 mil libras sírias (US$ 1.150) por informações sobre o paradeiros desses combatentes ou ajuda para capturá-los.

Em Damasco, a agência estatal de notícias Sana disse que o presidente do Parlamento, Mohammad Jihad Laham, pediu ao Congresso norte-americano que se comprometa com um diálogo "civilizado" com Damasco em vez de recorrer ao diálogo do "fogo e sangue".

Em carta enviada na noite de quinta-feira para o presidente da Câmara John Boehner, Laham fez um apelo ao colega norte-americano e seus colegas para que "não se apressem em adotar uma ação irresponsável e imprudente". Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.