Síria faz ofensiva em Damasco e rebeldes almejam Alepo

Forças do governo da Síria fortaleceram neste sábado a ofensiva contra regiões dominadas pelos rebeldes nas cercanias da capital, enquanto os insurgentes tentaram retomar partes da cidade de Alepo, no norte do país.

ÁLVARO CAMPOS, Agência Estado

22 Junho 2013 | 19h02

Os combates nos arredores de Damasco ocorrem no momento em que o regime do presidente Bashar al-Assad anunciou aumentos de salários para servidores públicos e militares, após a moeda local atingir a mínima histórica de 210 libras por dólar, em comparação com um nível de 47 libras por dólar antes do início da guerra civil, mais de dois anos atrás.

Enquanto isso, um grupo de 11 países apelidado de "Amigos da Síria" iniciou uma reunião no Qatar para discutir como coordenar a ajuda militar e outras formas de assistência aos rebeldes. Segundo o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, o grupo vai aumentar a ajuda para mudar o jogo de forças no campo de batalha. Kerry também denunciou Assad por convidar combatentes iranianos e do Hezbollah a lutar com suas tropas.

Ativistas reportaram vários bombardeios contra distritos a norte de Damasco neste sábado, aparentemente em uma tentativa de cortar a ligação entre regiões dominadas pelos rebeldes, que têm servido de base para o lançamento de ataques contra a capital. Três crianças foram mortas no distrito de Qaboun, segundo o Observatório Sírio para Direitos Humanos.

A emissora libanesa de televisão Al-Mayadeen citou um militar sírio que afirmou que o objetivo da operação é cortar as linhas de abastecimento dos rebeldes, separar um grupo do outro e garantir a posse das entradas no norte de Damasco. Moradores de Qaboun escreveram na rede social Facebook que os soldados de Assad usaram novos tanques para reforçar suas posições na área e que o bombardeio derrubou alguns prédios.

As forças de Assad reconquistaram alguns territórios nas últimas semanas, com o apoio do Irã, mas os rebeldes começaram a receber armas de alguns aliados e agora esperam a ajuda dos EUA para reverter o conflito. Segundo o Observatório Sírio, neste sábado os insurgentes atacaram uma academia militar na região de Alepo. No distrito de Rashideen, os rebeldes teriam conseguido fazer as tropas de Assad recuarem.

Ao mesmo tempo, o exército sírio atirou dezenas de mísseis contra uma região na fronteira com o Líbano, causando pânico entre os moradores. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Síriaviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.