Síria: Israel propõe devolver Golan em troca de paz

Ministra síria afirma que proposta de negociação foi apresentada por intermédio da Turquia

REUTERS E AP, O Estadao de S.Paulo

24 de abril de 2008 | 00h00

O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, disse à Turquia que está disposto a devolver à Síria as Colinas do Golan em troca de um acordo de paz com Damasco, disse ontem a ministra síria para Expatriados, Buthaina Shaaban, à TV Al-Jazira."Olmert está preparado para a paz com a Síria com base em condições internacionais; com base na total devolução das Colinas do Golan à Síria", disse a ministra. Ela revelou que a mensagem foi entregue por meio da Turquia, confirmando a informação divulgada ontem pela mídia independente síria. Israel ocupou as colinas sírias do Golan - assim como Cisjordânia, Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental - durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967.O governo de Israel não confirmou a oferta. Mas funcionários diplomáticos ocidentais, que confirmaram o envio da mensagem, disseram ao Jerusalém Post que Israel deixou claro que para qualquer acordo de paz a Síria necessita acabar com seu apoio ao Hamas, expulsar de Damasco o líder do grupo radical palestino, Khaled Meshaal, e cessar seu suporte ao grupo xiita libanês Hezbollah. As conversações de paz entre Síria e Israel foram suspensas em 2000 por causa das colinas. Israel queria manter uma estreita faixa de terra ao longo do Mar da Galiléia para garantir seu controle sobre vitais fontes de água. Tentativas internacionais para persuadir Síria e Israel a retomar o diálogo fracassaram após os dois lados apresentarem várias condições para a volta à mesa de negociações. Segundo o site Champress e o jornal Al-Watan, a oferta israelense foi entregue ao presidente sírio, Bashar Assad, pelo primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan. Eles também disseram que os governos sírio e israelense concordaram em discutir sobre como lidar com as relações entre a Síria, o Hezbollah e o Hamas.Admitindo conversações por meio de uma terceira parte, Assad disse no domingo, durante uma reunião a portas fechadas com membros de seu Partido Baath, que o compromisso israelense de uma total retirada das Colinas do Golan deveria ser a base de negociações e elas deveriam ser públicas.Segundo uma fonte do Partido Baath, Assad disse que a Síria tem de estar preparada para a possibilidade de uma guerra com Israel e declarou que os EUA podem prejudicar os esforços para retomar as conversações de paz. Os contatos de paz vêm ocorrendo apesar da tensão dos últimos meses entre os dois países, provocada principalmente por um ataque aéreo de Israel a uma instalação militar na Síria, em setembro. Segundo informações, a instalação abrigaria um reator nuclear construído com a ajuda da Coréia do Norte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.