Alberto Prieto/AP
Alberto Prieto/AP

Síria lança ofensiva terrestre contra rebeldes em Alepo

Ativistas reportaram confrontos, com as forças de oposição contra-atacando

AE, Agência Estado

08 de agosto de 2012 | 10h30

Texto atualizado às 11h50

BEIRUTE - Tropas do Exército da Síria lançaram uma ampla ofensiva terrestre contra áreas controladas por rebeldes na cidade sitiada de Alepo nesta quarta-feira, 8. Ativistas reportaram confrontos, com as forças de oposição contra-atacando, na batalha que já dura mais de duas semanas.

Veja também:

linkDois generais sírios se refugiam na Turquia

linkEnviado do Irã diz que país sempre ficará junto a Assad, diz agência

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

A agência de notícias oficial do governo sírio, SANA, alega que as forças do regime do presidente Bashar Assad retomaram o controle do distrito de Salaheddine, principal bastião rebelde na cidade. De acordo com a SANA, os militares infligiram perdas pesadas nos "grupos terroristas armados" (como o governo chama os rebeldes).

Mas Rami Abdul-Rahman, diretor do Observatório Sírio para os Direitos Humanos, baseado em Londres, afirmou que as tropas encontraram resistência durante o ataque. Os rebeldes do Exército Livre Sírio também negam as afirmações. O coronel Abdel Jabbar al-Oqaidi disse que "não é verdade que o Exército do regime assumiu o controle do distrito". "É verdade que houve uma ataque bárbaro e selvagem", acrescentou ele.

Alepo, a maior cidade e centro comercial da Síria, possui grande importância estratégica e simbólica. Cerca de 40 quilômetros distante da fronteira com a Turquia, tem sido um pilar de apoio ao regime durante a revolta. Mas uma vitória dos rebeldes permitiria acesso mais fácil à armas e combatentes da Turquia, base de apoio dos oposicionistas.

Cerca de 2,4 mil pessoas cruzaram a fronteira com a Turquia na noite de terça-feira para quarta-feira, informou a agência de notícias estatal turca. Os refugiados fugiram da crescente violência na guerra civil que assola a Síria e juntam-se aos cerca de 50 mil sírios que já escaparam para o país vizinho. Número ainda maior de refugiados foram para a Jordânia e Líbano. "Infelizmente, existe uma tragédia humana ocorrendo na Síria", afirmou o vice-primeiro-ministro da Turquia, Ali Babacan, nesta quarta-feira.

O governo de Assad foi atingido por uma onda de deserções, a mais recente do primeiro-ministro Riad Hijab. Nesta quarta-feira, o ministro de Informações da Jordânia encerrou as especulações e confirmou que Hijab está no país. Ainda assim, o regime possui armas mais poderosas e domina firmemente a maior parte da Síria.

As informações são da Associated Press e Dow Jones.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeSíriaviolênciaAlepo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.