Síria: Otan enviará mísseis Patriot à fronteira turca

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) anunciou nesta terça-feira que enviará sistemas antimísseis Patriot à fronteira sul da Turquia, aumentando as defesas locais do governo turco contra possíveis ataques vindos da Síria. O envio dos mísseis Patriot deixa os Estados Unidos e seus aliados europeus mais próximos à guerra civil da Síria, onde insurgentes tentam derrubar o governo de Bashar Assad desde março de 2011.

AE, Agência Estado

04 de dezembro de 2012 | 17h57

Os 28 integrantes da Aliança Atlântica, entre os quais a Turquia, decidiram usar os Patriot apenas para "finalidades defensivas" e conter os disparos de morteiros feitos a partir do lado sírio da fronteira, os quais já mataram pelo menos cinco civis turcos. Mas o anúncio também parece ser um aviso ao regime de Assad, num momento em que tanto Washington quanto Ancara temem que o governante sírio esteja pronto a usar seu arsenal de armas químicas.

"Nós ficamos ao lado da Turquia dentro de um espírito de forte solidariedade" disse o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen. "Para qualquer um que deseje atacar a Turquia, estamos dizendo: ''nem pensem em fazer isso''", afirmou o militar.

Rasmussen ressaltou que o envio do sistema antimísseis - que inclui não apenas os foguetes Patriot, mas radares, sensores, estações e outros componentes - não significa que a Aliança Atlântica esteja criando uma "zona de exclusão aérea" sobre o norte da Síria, um pedido cada vez mais frequente feito pelos insurgentes sírios, os quais pedem a criação de tal zona para impedir os bombardeios da Força Aérea da Síria contra as províncias de Alepo e Idleb, parcialmente controladas pelos rebeldes.

Militares da Otan dizem que o sistema seja programado para interceptar apenas mísseis, morteiros e projeteis que invadam o espaço aéreo da Turquia. Eles não poderá invadir preventivamente o espaço aéreo sírio. Isso significa que não terão efeito contra as ofensivas que Assad conduz no momento contra os rebeldes em Alepo e Idleb.

Espera-se que a Alemanha e a Holanda forneçam aos militares turcos as baterias que disparam os mísseis interceptores PAC-3. Já os EUA poderão enviar alguns dos seus estoques de mísseis Patriot na Europa. Mas o número exato de baterias e mísseis que serão enviados ainda não foram definidos. Devido ao tamanho e complexidade dessas baterias, bem como aos seus sistemas de informática e rampas de lançamento, é possível que sejam enviadas à Turquia por via naval, disseram militares da Otan. Eles dizem que as baterias só deverão chegar ao sul da Turquia em janeiro de 2013.

A Otan já instalou sistemas de mísseis Patriot na Turquia em duas ocasiões - a primeira durante a Guerra do Golfo em janeiro de 1991 e a segunda durante a invasão norte-americana do Iraque em 2003. Nas duas ocasiões, os sistemas não foram usados e foram desmontados e enviados à Europa alguns meses depois.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.