Síria permitirá acesso de especialistas, diz Assad

O presidente sírio, Bashar Assad, disse que seu governo deve permitir que especialistas estrangeiros tenham acesso aos locais onde o regime mantém as armas químicas. Contudo, ele advertiu que os rebeldes podem impedir que os agentes cheguem em algumas regiões.

AE, Agência Estado

23 Setembro 2013 | 10h29

Em uma entrevista à televisão estatal da China, Assad afirmou que o governo de Damasco está empenhado em implementar o acordo da Rússia e dos EUA sobre colocar suas armas químicas sob controle internacional. De acordo com o plano, inspetores devem chegar ao território sírio em novembro.

Segundo o presidente, o governo "não tem problema algum" em levar os especialistas para os locais onde as armas químicas são mantidas, contudo pode ser difícil chegar a algumas regiões por causa dos constantes confrontos entre o Exército da Síria e rebeldes.

"Estou me referindo a locais onde estão os atiradores. Estes atiradores podem querer impedir a chegada dos especialistas", disse Assad à CCTV, referindo-se a rebeldes.

Na semana passada, Damasco se deparou com o primeiro prazo exigido no plano feito entre norte-americanos e russos. O regime de Assad tinha de entregar uma lista completa de seu arsenal de armas químicas e de seus complexos de produção para uma agência da ONU.

Na entrevista concedida à televisão chinesa, filmada no domingo na capital síria, Assad disse que a Síria já entregou uma lista de suas armas químicas para uma agência internacional. O presidente também afirmou que o governo garantirá que os especialistas cheguem "no local onde produzimos e guardamos nossas armas químicas".

"Eu não acho que nós temos problemas com isso", disse ele, acrescentando que alguns especialistas podem ter dificuldades para "chegar a esses locais devido à situação da segurança local".

Especialistas técnicos da Organização para a Proibição de Armas Químicas disseram neste sábado que estavam analisando os documentos da Síria sobre seu programa de armas químicas. Nenhum detalhe foi divulgado sobre o que está nas declarações sírias. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
SÍRIAASSAD

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.