Síria: presença da ONU na fronteira sírio-libanesa será considerada hostil

Em pronunciamento transmitido nesta quarta-feira por uma emissora árabe de televisão, o presidente da Síria, Bashar Assad, disse que consideraria hostil qualquer mobilização de soldados estrangeiros na fronteira de seu país com o Líbano."Primeiro, isso representaria a criação de condições hostis entre a Síria e o Líbano", disse Assad à Dubai TV, de acordo com trechos da entrevista divulgados pela emissora."Em segundo lugar, existe uma mobilização hostil contra a Síria e isso naturalmente resultará em problemas", prosseguiu Assad.Os trechos da entrevista divulgados pela Dubai TV não mostravam Assad entrando em muitos detalhes. A íntegra da entrevista deve ser exibida ainda nesta quarta pela emissora.Em Helsinque, o chanceler finlandês, Erkki Tuomioja, disse depois de um encontro com o ministro sírio das Relações Exteriores, Walid Moallem, que Damasco ameaçou fechar sua fronteira com o Líbano caso tropas de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) sejam enviadas à região.A Finlândia ocupa a presidência de turno da União Européia (UE).A Síria é o único país árabe com o qual o Líbano faz fronteira.Na opinião de Assad, o envio de tropas internacionais à fronteira entre a Síria e o Líbano seria uma "violação à soberania libanesa".Na terça-feira, o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, disse que seu país suspenderá o bloqueio ao Líbano somente quando forças de paz da ONU forem enviadas à região, ocupando inclusive a fronteira libanesa com a Síria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.