Síria quer que armas sejam destruídas fora do país

O diretor-geral da Organização para a Proibição de Armas Química (OPAQ), Ahmet Üzümcü, confirmou que a Síria deseja que a destruição do estoque de gás venenoso e agentes nervosos destruído seja feita fora do país.

AE, Agência Estado

05 de novembro de 2013 | 16h17

Segundo a Organização para a Proibição de Armas Química, Üzümcü fez a declaração em uma reunião na terça-feira quando se discutia os detalhes de um plano confidencial que a Síria apresentou para a destruição de seu arsenal químico. Üzümcü afirmou ao conselho executivo da OPAQ que a proposta da Síria de que armas químicas sejam destruídos em outro país "continua a ser a opção mais viável".

Contudo, ainda não está claro onde a destruição pode acontecer. A Noruega já recusou um pedido para que o material seja implodido no seu território.

Segundo Üzümcü, a Síria citou "desafios práticos" de destruição de armas químicas, em meio a guerra civil, e "as limitações de recursos" como razões para a destruição fora do país.

Mais conteúdo sobre:
SÍRIAARMAS QÚIMICAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.