Síria reage a ameaças de Trump e diz que ataque dos EUA seria imprudente e irracional

Para governo do país, o convite a investigadores especializados em armas químicas comprova sua inocência; aliados russos alertaram que mísseis serão derrubados

O Estado de S.Paulo

11 Abril 2018 | 11h26

DAMASCO - O Ministério das Relações Exteriores da Síria divulgou nesta quarta-feira, 11, uma resposta às ameaças emitidas por Donald Trump de enviar mísseis ao país. A declaração caracterizou a fala do presidente americano como "imprudente", que demonstra falta de "sabedoria e lógica" e ainda coloca em risco a paz e segurança internacionais. O posicionamento vem após EUA e Rússia se manifestarem sobre uma possível resposta militar ao suposto ataque químico de sábado, que tanto os sírios quanto os russos dizem que não aconteceu. O presidente Trump utilizou o Twitter para ameaçar uma retaliação, o que desencadeu declarações dos adversários.

+ Pelo Twitter, Trump diz que mísseis 'vão chegar' na Síria e alerta Rússia para 'se preparar'

+ Russos afirmam que mísseis 'inteligentes' de Trump poderiam destruir evidências de ataque químico

O Ministério sírio apontou que Washington está utilizando o suposto ataque como pretexto para atacar o país. "Não estamos surpresos com esta escalada imprudente de um regime como o dos Estados Unidos, que tem patrocinado o terrorismo na Síria". A declaração foi divulgada pela mídia estatal. O governo sírio considera todos os grupos de oposição ao regime como terroristas e aponta que os americanos financiam tais grupos, incluindo o Estado Islâmico.

"O pretexto de um ataque químico tornou-se conhecido por todos e é uma desculpa frágil e sem fundamento", diz a declaração oficial, que avalia as ameaças de retaliação dos EUA, França e Grã-Bretanha como "delirantes", caso seu objetivo seja impedir que Damasco continue a combater o terrorismo. "O estado sírio continuará a lutar contra o terrorismo, não importa qual seja a reação deles", ressaltou o documento. O posicionamento ainda argumenta que o convite a investigadores especializados em armas químicas comprova a inocência das forças de Bashar al-Assad. // AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.