AFP PHOTO / Joseph EID AND Maher AL MOUNES
AFP PHOTO / Joseph EID AND Maher AL MOUNES

Síria reforça campanha contra Estado Islâmico após retomada de Palmyra

A perda de Palmyra no domingo representou uma dos maiores derrotas do grupo jihadista desde que este declarou um califado em 2014 em grandes porções de território da Síria e do Iraque

O Estado de S. Paulo

28 de março de 2016 | 17h41

BEIRUTE - Forças do governo da Síria, apoiadas por ataques aéreos da Rússia, combateram insurgentes do Estado Islâmico (EI) nos arredores de Palmyra nesta segunda-feira, 28, tentando ampliar seus avanços após retomarem o controle de uma cidade cujos templos antigos foram dinamitados pelos militantes radicais.

A perda de Palmyra no domingo representou uma dos maiores derrotas do grupo jihadista desde que este declarou um califado em 2014 em grandes porções de território da Síria e do Iraque.

O Exército sírio disse que a cidade, que abriga algumas das maiores ruínas do Império Romano, irá se tornar uma "plataforma" de operações contra bastiões do Estado Islâmico nas cidades de Raqqa e Deir es-Zor, que ficam mais para o leste ao longo de uma vasta região desértica.

A mídia estatal da Síria afirmou na segunda-feira que o aeroporto militar de Palmyra está aberto para o tráfego aéreo agora que o Exército livrou a área circundante de combatentes do Estado Islâmico.

Houve confrontos ao nordeste de Palmyra entre o grupo sunita extremista e forças aliadas ao governo, com auxílio de ataques aéreos sírios e russos, de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (Londres), que monitora a guerra com uma série de fontes no terreno.

Os bombardeios, que se acredita terem sido russos, também visaram a estrada que parte de Palmyra em direção ao leste e leva a Deir es-Zor, afirmou a entidade.

Embora a maior parte da força do Estado Islâmico tenha fugido de Palmyra no domingo, ainda há alguns militantes na localidade, disse o Observatório. Seu diretor, Rami Abdulrahman, ainda relatou que a maioria dos moradores fugiu antes da ofensiva do governo e informou não ter informações sobre de mortes de civis.

No domingo, foram ouvidas seis explosões, desencadeadas pelo grupo radical dentro da cidade e em suas cercanias com três carros-bomba. Três militantes com cinturões de explosivos também se explodiram, infligindo baixas não especificadas entre forças do Exército e tropas aliadas, informou o Observatório.

A televisão estatal síria transmitiu imagens de dentro de Palmyra, exibindo ruas vazias e edifícios severamente danificados.

Abdulrahman afirmou que até hoje havia a informação da morte de 417 combatentes do Estado Islâmico durante a campanha de reconquista de Palmyra, e de 194 pessoas do lado do governo sírio. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaguerra na SíriaPalmyra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.