Síria rejeita proposta de posicionamento de tropas na fronteira com o Líbano

O presidente sírio, Bashar el-Assad, rejeitou nesta terça-feira a proposta de Israel para o posicionamento de tropas internacionais na fronteira libanesa com a Síria. O objetivo da medida seria acabar com um possível envio de armas para a milícia Hezbollah.Segundo informações da agência de notícias Reuters, Assad considerou tal proposta uma invasão à soberania libanesa.Mais cedo, o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, havia dito que acabaria com o bloqueio aéreo e naval imposto ao Líbano caso as tropas fossem posicionadas na fronteira com a Síria.Porém, segundo um relatório provisório sobre o envio das tropas ao qual o jornal francês Le Monde teve acesso, as forças de paz da ONU poderão apenas defender civis ou a si mesmos, e não buscarão as armas do Hezbollah.O documento, classificado como "restrito à ONU", informa que as tropas deverão prevenir atividades hostis na zona tampão entre o sul do Líbano e a fronteira israelense, além de proteger os civis de qualquer ataque.O jornal disse também que teve acesso a um outro documento segundo o qual o Exército libanês será o responsável pelo desarmamento do Hezbollah.O Le Monde também informou que as forças de paz, mesmo não tendo a autorização de apreender as armas do Hezbollah, poderão confiscar as armas encontradas em patrulhas rotineiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.