Síria tenta estancar revolta popular

Governador de província ao sul em que sete manifestantes foram mortos no último fim de semana foi demitido nessta terça-feira, 22

estadão.com.br

22 de março de 2011 | 13h10

Na tentativa de barrar o avanço da onda de insatisfação política que vem varrendo o mundo árabe, a Síria demitiu nesta terça-feira o governador de uma província ao sul do país, depois que sete manifestantes foram mortos durante o último fim de semana.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

 

Moradores da cidade de Daara vinham pedido sua queda desde sexta-feira, 18, quando os protestos por liberdade política e o fim da corrupção - que reuniram milhares de pessoas - começaram a ser violentamente reprimidos. Gás lacrimogêneo, jatos d'água e tiros com bala de borracha foram usados para dispersar os manifestantes.

 

A demissão do governador da província, Faisal Kalthoum, no poder desde 2006, foi vista como uma tentativa de não deixar que a insatisfação se espalhe para outras regiões da Síria. O país vive sob uma das mais repressivas ditaduras do Oriente Médio. Bashar Assad é o presidente desde 2000, tendo sucedido seu pai, Hafez Assad que governou a Síria desde 1970 até sua morte, em 2000.  (com AP)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.