Síria teria mais 3 supostos ataques com armas químicas

A Grã-Bretanha enviou uma carta ao secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, com informações sobre três novos supostos ataques do governo sírio com o uso de armas químicas. Os atentados teriam acontecido entre março e abril deste ano. Segundo o Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido, a carta pretende chamar a atenção da ONU para o uso de armar químicas no país.

AE-AP, Agência Estado

30 de maio de 2013 | 11h10

O próprio governo da Síria pediu à ONU uma investigação sobre um suposto ataque de armas químicas por um grupo de rebeldes no dia 19 de março, na aldeia de Khan al-Allsal, em Allepo. A Síria, no entanto, insiste que as investigações se limitem a esse único atentado, que resultou na morte de soldados. Ki-moon quer um acompanhamento amplo de todos os casos suspeitos, incluindo a alegação de rebeldes do uso de armas químicas pelas forças do governo.

O embaixador britânico na ONU, Mark Lyall Grand, disse nessa quarta-feira que o seu governo continuará fornecendo novas informações ao secretário-geral e aos líderes da Organização responsáveis pelas investigações. "Nossa visão é de que todos os ataques são por parte do governo", afirmou Grant. "Não temos informações de que a oposição tem acesso, e muito menos usado armas químicas".

Na última semana, o enviado da ONU ao Oriente Médio, Robert Serry, disse ao Conselho de Segurança que

relatórios relevam o aumento do uso violento de armas químicas na Síria. Ele não deu detalhes, mas disse que o secretário-geral está preocupado com as acusações. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaviolênciaONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.