Síria usou armas químicas contra rebeldes, concluem EUA e Europa

Segundo Casa Branca, o regime de Assad cruzou a 'linha vermelha' estabelecida por Obama

O Estado de S. Paulo,

13 Junho 2013 | 19h05

WASHINGTON - Autoridades dos Estados Unidos e da Europa concluíram que a Síria usou armas químicas contra os rebeldes, cruzando a "linha vermelha" estabelecida pelo presidente dos EUA, Barack Obama, disse a Casa Branca nesta quinta-feira, 13.

A informação vem à tona quase dois meses depois de a Casa Branca ter comunicado ao Congresso que agências de espionagem acreditava "com variados graus de confiança" que Assad havia usado armas químicas contra os rebeldes, mais provavelmente gás sarin.

A conclusão tem grande potencial de influir na decisão do governo sobre o envio de armas aos rebeldes que combatem Assad, assim como para outras medidas no sentido de um maior envolvimento americano no conflito sírio. Diversas vezes, Obama disse que o uso de armas químicas pelo regime sírio seria considerado o cruzamento de uma "linha vermelha" e "mudar o jogo" da política americana, que até agora forneceu armas não letais aos rebeldes, além de ajuda humanitária. 

Nesta quinta-feira, a Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou que o conflito sírio, que já dura mais de dois anos, deixou ao menos 93 mil mortos./ AP e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
SíriaEUAEuropaarmas químicas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.