Síria: violência deixa 143 mortos em dia de protestos

Combates entre insurgentes e soldados, bombardeios da Força Aérea da Síria e a repressão a dezenas de milhares de manifestantes deixaram 143 mortos ao redor da Síria nesta sexta-feira, informou o grupo Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, sediado em Londres. Já o grupo opositor Comitês de Coordenação Local, uma rede de ativistas sírios, informou que a Força Aérea bombardeou fiéis que deixavam mesquitas após as orações de sexta-feira na cidade de Zamalka, perto de Damasco. Na capital, aconteceram manifestações nos bairros de Rokn Eddin, Assali, Qabun e no subúrbio de Babila. Os manifestantes contrastaram o número de mortos pela supertempestade Sandy nos Estados Unidos com as dezenas de milhares de mortes na guerra civil síria: "Sandy: 90 vítimas - Anissa: 40 mil vítimas", dizia um cartaz, com o nome de Anissa, mãe do presidente Bashar Assad.

AE, Agência Estado

02 de novembro de 2012 | 21h45

Na província de Idlib, parcialmente controlada pelos insurgentes, também ocorreram manifestações contra Assad. "Não ao sectarismo, não à divisão", gritavam os manifestantes em Binnish. Em Kfar Nabal, manifestantes carregaram uma faixa: "Isto não é uma guerra civil, é um genocídio. Nos deixem morrer, mas não mintam". Manifestantes também gritaram palavras de ordem contra a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, que recentemente criticou a desunião da oposição síria.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.