Síria: violência mata 62 no primeiro dia de trégua

As explosões de dois carros-bomba, na capital Damasco e em Deraa, no sul da Síria, bem como combates e episódios violentos ao redor do país deixaram 62 pessoas mortas nesta sexta-feira, primeiro dia da suposta entrada em vigor de um cessar-fogo entre o governo do presidente Bashar Assad e o Exército Livre da Síria (ELS), que representa a maioria dos combatentes que desde março de 2011 tentam derrubar o governo. Mesmo com o aparente colapso do cessar-fogo, os grupos da oposição disseram que o número de mortos ficou bem abaixo da média diária registrada nas últimas semanas na Síria - que é de cem mortos, informou o Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, sediado em Londres.

AE, Agência Estado

26 de outubro de 2012 | 20h53

Mesmo que o cessar-fogo negociado pelo diplomata Lakhdar Brahimi, da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Liga Árabe, seja mantido até segunda-feira, quando termina o feriado islâmico do Eid al-Adha, são remotas as chances de que o conflito civil sírio chegue ao fim.

Multidões aproveitaram a redução da violência e milhares de pessoas protestaram nas ruas contra Assad, pedindo a queda do governo. Poucas horas após o começo da trégua, um carro-bomba explodiu em um bairro residencial de Damasco, perto de um complexo habitacional para policiais e suas famílias, matando 10 pessoas e ferindo mais de 30, informou a mídia estatal síria.

Outro carro-bomba também explodiu perto de um posto de controle do exército em Deraa, no sul do país, matando três soldados, disse o Observatório Sírio. Segundo o grupo opositor, soldados do governo e desertores que aderiram aos rebeldes continuaram a combater em Harasta e Douma, subúrbios de Damasco, e na província de Idlib, no norte do país. O governo bombardeou áreas residenciais nos dois subúrbios. Os ataques em Harasta e Douma, bem como as lutas em Idlib, deixaram pelo menos 22 mortos, disse o Observatório.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.