Aggelos Barai/AP
Aggelos Barai/AP

Sírios estão em prisão secreta na Grécia

Refugiados ficam isolados antes de serem expulsos para a Turquia; gregos negam 

The New York Times, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2020 | 06h00

POROS, GRÉCIA - O governo grego está detendo imigrantes em regime de isolamento em uma instalação secreta extrajudicial antes de expulsá-los de volta para a Turquia sem observar seus direitos, uma abordagem dura para fechar as fronteiras da Europa. De acordo com especialistas, são medidas que violam o direito internacional.

Vários imigrantes relataram em entrevistas terem sido capturados, tiveram pertences roubados, foram espancados e expulsos da Grécia sem ter a oportunidade de solicitar asilo nem falar com um advogado, em um processo ilegal. Enquanto isso, autoridades turcas disseram que, nas últimas duas semanas, pelo menos três imigrantes foram mortos a tiros quando tentavam entrar na Grécia.

A abordagem grega é o exemplo mais claro dos esforços europeus para evitar uma repetição da crise de imigração de 2015, quando mais de 850 mil pessoas sem documentação entraram com relativa facilidade pelas fronteiras da Grécia, chegando em seguida a outras partes da Europa e tumultuando a política do continente com a ascensão da extrema direita.

Se outros milhares de refugiados chegarem à Grécia, as autoridades do país temem arcar com a responsabilidade de cuidar deles durante anos, recebendo pouco apoio dos outros membros da União Europeia e exacerbando as tensões sociais de uma economia já bastante sobrecarregada. Já há dezenas de milhares de imigrantes vivendo na pobreza extrema em muitas ilhas do país, e muitos gregos temem ser obrigados a arcar com um fardo criado pela indiferença dos europeus.

O governo grego defendeu suas ações como sendo uma resposta legítima a provocações recentes por parte das autoridades turcas, que transportaram milhares de imigrantes para a fronteira com a Grécia desde o fim de fevereiro, incentivando alguns deles a avançar e derrubar a cerca que divide os dois países. As autoridades gregas negaram os relatos de mortes na fronteira.

O porta-voz do governo, Stelios Petsas, disse que “não há nenhum centro de detenção secreto” e garantiu que a Grécia deteve e expulsou imigrantes de acordo com a lei. Foi emitido um decreto presidencial, no dia 3, anunciando uma suspensão de um mês para os pedidos de asilo e permitindo a deportação imediata.

A Comissão Europeia afirmou “não estar em posição de confirmar ou negar” as descobertas do jornal. O New York Times confirmou a existência do centro secreto no nordeste da Grécia com reportagem no local e análise de peritos a partir e imagens e satélite.

Comparação

Diante de diagramas da instalação e uma descrição do seu funcionamento, François Crépeau, ex-relator especial da ONU para os direitos humanos dos imigrantes, disse que o local equivale a uma versão doméstica das “prisões secretas da CIA”, já que os presos são mantidos sem acesso ao sistema jurídico nem o conhecimento do público.

Quando as autoridades turcas começaram a levar imigrantes de ônibus até a fronteira grega, no dia 28 de fevereiro, um sírio de origem curda chamado Somar al-Hussein estava sentado em um dos primeiros transportes.

Hussein, estagiário de engenharia de software, passou aquela noite tomando chuva na margem do Rio Hebro, que separa o oeste da Turquia do leste da Grécia. Na madrugada seguinte, ele chegou ao lado grego a bordo de um bote de borracha lotado de outros imigrantes.

Disputa

A jornada chegou ao fim uma hora depois, disse ele em entrevista ao NYT. Capturado por guardas de fronteira gregos, ele disse que foi levado com seu grupo a um centro de detenção. Acompanhando a jornada pelo celular, ele se deu conta de que o local ficava a algumas centenas de metros a leste da fronteira, no vilarejo de Poros.

A instalação era composta por três armazéns de telhado vermelho nos fundos de uma estrada vicinal e dispostos em forma de “U”. Centenas de outros imigrantes capturados aguardavam do lado de fora.

Hussein foi colocado em uma sala com dezenas de outros. Ele teve o celular confiscado. Seus pedidos de asilo foram ignorados e ele foi impedido de falar com funcionários da ONU. O refugiado sírio foi um dos muitos imigrantes que apresentaram relatos semelhantes de detenções extrajudiciais na Grécia.

A Turquia já recebe mais refugiados do que qualquer outro país – mais de 4 milhões, em sua maioria sírios – e teme ser obrigada a receber mais 1 milhão por causa de novos combates no norte da Síria. 

Para aliviar essa pressão e obrigar a Europa a apoiar sua ofensiva militar na Síria, o governo turco usa imigrantes como Hussein como armas, empurrando-os na direção do continente.

O NYT também apontou que a Guarda Costeira grega, nominalmente dedicada ao salvamento de vidas, disparou na direção de refugiados a bordo de um bote que tentava chegar às praias gregas no início do mês. A análise de peritos dos vídeos apresentados por testemunhas também confirmou a morte de pelo menos uma pessoa – um operário sírio – baleada na fronteira entre Grécia e Turquia. /TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.