Sissi: Irmandade Muçulmana 'nunca mais voltará'

O ex-comandante das Forças Armadas do Egito Abdel-Fattah el-Sissi, provável futuro presidente do país, declarou nesta segunda-feira que a Irmandade Muçulmana, do presidente deposto Mohamed Morsi, "nunca mais voltará" se for eleito presidente.

AE, Agência Estado

05 Maio 2014 | 19h46

Sissi acusou o grupo islamita de usar seus militantes para desestabilizar o Egito. Ele fez as declarações na primeira entrevista à televisão durante sua campanha para presidente.

As eleições serão realizadas no dia 26. Segundo Sissi, são os egípcios que não querem mais a Irmandade no país, e não ele.

Em julho do ano passado, como comandante das Forças Armadas, Sissi liderou o golpe militar que resultou na deposição de Morsi, primeiro presidente democraticamente eleito da história do Egito. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Egito política Sissi Irmandade Muçulmana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.