Sistema bancário dos EUA é sadio, diz secretário

O secretário do Tesouro norte-americano, Henry Paulson, procurou tranqüilizar a população hoje ao reassegurar que o sistema bancário do país é sadio, ao mesmo tempo em que alertou para mais tempos difíceis pela frente. "Acredito que levará meses para que superemos essa fase", afirmou. Paulson disse ainda que o número de bancos com problemas irá aumentar à medida em que eles lutam para enfrentar grandes perdas de hipotecas ruins. O governo resolveu intervir recentemente no IndyMac, um dos maiores bancos de hipotecas dos Estados Unidos, depois que correntistas retiraram mais de US$ 1,3 bilhão em apenas 11 dias e as autoridades decidiram passá-lo para a administração da Sociedade Federal de Seguro de Depósito (FIDC, na sigla em inglês). Foi o quinto banco a falir nos EUA neste ano, a exemplo do Bear Stearns. "Claro que a lista vai aumentar dado o estresse que temos no mercado e à correção no mercado imobiliário. Mas, de novo, é um sistema bancário seguro. Nossos reguladores estão no controle dele", garantiu.Paulson deu entrevistas a dois programas de televisão do país para dizer à população que os depósito bancários de até US$ 100 mil estão totalmente protegidos. Ele disse que ninguém perdeu um centavo sequer num depósito segurado nos 75 anos em operação da FIDC."Estamos passando por um período desafiador da nossa economia. São tempos difíceis. Os três maiores problemas que estamos enfrentando agora são primeiro a correção do mercado imobiliário que está no coração de um processo de desaceleração, segundo a turbulência nos mercados de capitais, e terceiro é alto preço do petróleo, que deve prolongar a desaceleração da economia", avaliou. "Mas lembrem-se, nossa economia tem fundamentos de longo prazo muito fortes. E vocês sabem, as autoridades daqui, os reguladores, nós estamos todos muito vigilantes", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.