Sistema de contagem de votos no Equador entra em colapso

O sistema de contagem rápida dos votos das eleições presidências equatorianas, realizada no domingo, entrou em "colapso" na madrugada desta segunda-feira, explicou o chefe de relações públicas do Tribunal Supremo Eleitoral do país, Fabricio Rodríguez.Sem explicações técnicas, Rodríguez disse à EFE que o "sistema entrou em colapso ontem à noite", após a apuração de 70,59% dos votos. Segundo engenheiros da Escola Politécnica Nacional, "o sistema se auto bloqueou ao cair a conexão com a internet". Rodríguez indicou que o plenário do tribunal se reunirá ainda nesta segunda-feira para analisar as cláusulas do contrato a fim de aplicar sanções à E-vote, empresa brasileira responsável pela apuração. A E-vote havia se comprometido a dar os resultados na noite de domingo."Não sei o que aconteceu, são eles da E-vote que oficialmente devem dizer o que é que sucedeu", assinalou Rodríguez.O porta-voz disse que não só a contagem rápida foi suspensa com 70,59% dos votos apurados, como também não foram dadas informações sobre os resultados da eleição dos deputados."Não sei qual vai ser a operação da E-vote, se é que eles podem remediar o problema e finalizar a contagem, embora já seja tarde, não tenho conhecimento", assinalou Rodríguez.VantagemDe acordo com os números apurados, a vantagem do candidato a presidente Álvaro Noboa sobre Rafael Correa se estabilizou e ficou em 4,15 pontos percentuais.Segundo os dados preliminares da apuração não oficial divulgados pela empresa E-vote, que trabalha para a Corte Suprema Eleitoral, Noboa tem 26,66% dos votos, seguido por Correa, com 22,51%. Se o resultado se mantiver, os dois candidatos concorrerão à presidência em um segundo turno.Correa, no entanto, não aceita o fato de que irá para o segundo turno com porcentagens menores que Noboa, e insiste que uma pesquisa própria de boca de urna lhe dá uma ligeira vantagem sobre seu rival.Ele ainda afirmou que houve irregularidades nas eleições, mas não as especificou, e insistiu em que está "lutando contra o poder econômico do país"."A população venceu: Rafael Correa e Lenín Moreno (candidato à Vice-Presidência) ganharam ontem, estão cometendo uma fraude", ressaltou. "Estamos diante da ditadura de máfias, que tem nos enganado", disse Correa, sem identificar a quem se referia.O terceiro, o populista Gilmar Gutiérrez, tem 16,36%, deixando em quarto lugar o social-democrata León Roldós, com 15,50%. Os equatorianos foram no domingo às urnas para escolher o presidente e vice-presidente, renovar o Parlamento e escolher deputados andinos, vereadores, conselheiros e outras autoridades locais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.