Sistema de segurança pára reator da usina russa de Kalinin

O sistema de segurança da usina nuclear de Kalinin, na Rússia, parou neste domingo o primeiro reator energético, por razões ainda desconhecidas, informou o consórcio estatal russo de Energia Atômica Rosenergoatom. "O sistema de segurança se ativou de forma automática. As causas estão sendo esclarecidas", informou um porta-voz do consórcio, que administra todas as centrais atômicas da Rússia, à agência oficial "Itar-Tass". Ao mesmo tempo, o porta-voz ressaltou que na usina, situada cerca de 330 quilômetros ao noroeste de Moscou, "não se registraram violações das regras e das condições de segurança", e que os níveis de radioatividade na área continuam "na média". O primeiro reator da central de Kalinin, que fornece eletricidade a oito regiões do país, tem potência de mil megawatts e entrou em funcionamento a pleno rendimento em 1985. O segundo reator da central tem potência de 1.033 megawatts, enquanto o terceiro está em reparação desde 25 de março. Os três reatores são de água a pressão, tipo VVER-1000 de terceira geração, considerados na Rússia os mais modernos e seguros produzidos pela indústria nuclear do país. O incidente, aparentemente insignificante, acontece poucos dias após o aniversário de 20 anos da catástrofe nuclear na usina atômica ucraniana de Chernobil, ocorrida em 26 de abril de 1986.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.