Polícia Metropolitana de Londres / Reuters
Polícia Metropolitana de Londres / Reuters

Site diz que russo que envenenou ex-espião seria militar e não civil, como afirma Moscou 

Governo britânico já havia afirmado que os dois suspeitos de envenenar Serguei Skripal com o agente neurotóxico novichok seriam agentes de um serviço de inteligência militar da Rússia

O Estado de S.Paulo

26 Setembro 2018 | 17h32

LONDRES - Um site de jornalismo investigativo revelou a suposta identidade de um dos dois suspeitos de terem envenenado o ex-espião russo Serguei Skripal e a filha dele, Yulia, no Reino Unido, em março, informou nesta quarta-feira, 26, a rede de televisão BBC.

A página Bellingcat afirma que o homem que até agora tinha sido identificado pela imprensa como Ruslan Boshirov é, na verdade, o coronel da espionagem militar russa Anatoliy Chepiga

Neste mês, o governo britânico afirmou que tanto Boshirov quanto Alexander Petrov, o outro suspeito, eram agentes de um serviço de inteligência militar da Rússia, algo que ambos negaram em entrevista ao canal de TV russo RT. O governo de Vladimir Putin sempre negou as acusações e afirmou que os suspeitos eram civis.   

As autoridades do Reino Unido afirmaram então que os dois poderiam ter entrado no país com nomes e passaportes falsos.

A emissora pública britânica afirmou que fontes oficiais do governo não quiseram fazer comentários sobre a publicação do suposto nome real do coronel russo, mas ressaltou que também não negaram a informação.

O site Bellingcat, que se declara especializado em investigações baseadas em "fontes abertas e nas redes sociais", afirma que o coronel Chepiga serviu na Segunda Guerra da Chechênia e foi "visto perto da fronteira da Ucrânia no fim de 2014". Segundo a página, ele foi condecorado em dezembro de 2014 com as mais altas distinções em seu país, como a de Herói da Federação Russa, uma honraria entregue pelo próprio Putin.

O Reino Unido acusou a Rússia de estar por trás do ataque ao ex-espião e sua filha, que foram envenenados em Salisbury, na Inglaterra, com uma substância química de uso militar. Os dois suspeitos identificados disseram ao RT que são empresários do mundo fitness e tinham ido a Salisbury a turismo. 

O caso Skripal elevou a tensão diplomática entre Moscou e Londres e provocou a expulsão de dezenas de diplomatas russos de quase 30 países. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.