Site cubano divulga imagens do garoto Elián

HAVANA

AP e Afp, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2010 | 00h00

Dez anos depois de Elián González ter sido o foco de uma acirrada disputa judicial entre EUA e Cuba, o site de notícias oficial Cubadebate divulgou fotos do jovem cubano em um congresso da União de Jovens Comunistas.

Hoje com 16 anos, Elián estuda em um colégio militar e é delegado da Juventude Comunista. As fotos foram tiradas no fim de semana, em Havana. Nelas, ele veste o uniforme verde-oliva das escolas pré-universitárias militares. "Elián, dez anos depois", é o título da fotorreportagem do Cubadebate. "Esse olhar cativou (a secretária de Justiça dos EUA Janet) Reno, para ditar a sentença pela qual ele deveria voltar para seu lar", diz o texto. "Dez anos depois, encontramos Elián debatendo entre os jovens como fazer revolução."

Quando Elián tinha 6 anos, sua mãe fugiu com ele ilegalmente para os EUA. Mas a balsa na qual eles estavam naufragou, matando a mãe do garoto. Elián foi resgatado e levado para a Flórida, onde foi recebido pelo tio.

O pai, que ficara em Cuba, pediu a volta do menino e a disputa judicial internacional virou questão de honra tanto para os cubanos da ilha quanto para os exilados em Miami. No final, a Justiça dos EUA ordenou a volta do garoto a Cuba, onde ele foi recebido como herói. Até hoje, o aniversário de Elián, em 7 de dezembro, é comemorado na ilha com paradas e outros eventos.

Seu pai, Juan Miguel González, antes funcionário de um restaurante, foi eleito deputado. Tanto ele quanto Elián são acompanhados por autoridades, que restringem o acesso da imprensa internacional a ambos.

A divulgação das fotos de Elián num encontro da Juventude Comunista ocorre num momento em que muitos na ilha estão decepcionados com a falta de mudanças e o "envelhecimento da revolução", após quatro anos da passagem do poder de Fidel para seu irmão, Raúl Castro. Recentemente, até os cantores Silvio Rodríguez e Pablo Milanés criticaram a incapacidade de renovação do regime. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.