Brendan Smialowski/AFP
Brendan Smialowski/AFP

Site da campanha de Trump é invadido por hackers

'O mundo não aguenta mais as notícias falsas espalhadas diariamente pelo presidente', dizia mensagem na página

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2020 | 23h30

WASHINGTON - Hackers invadiram o site da campanha do presidente Donald Trump nesta terça-feira, 27, a uma semana das eleições americanas, informaram autoridades.

"Este site foi tomado", dizia a mensagem que em donaldjtrump.com, portal que costuma trazer detalhes sobre comícios e pedidos de arrecadação de fundos.

"O mundo não aguenta mais as notícias falsas espalhadas diariamente pelo presidente donald j trump", prosseguia a mensagem, segundo a imprensa americana.

O porta-voz da campanha de Trump, Tim Murtaugh, disse que o site foi reparado rapidamente e nenhum dado sensível ficou comprometido."O site da campanha de Trump foi alterado e estamos trabalhando com autoridades da lei para investigar a origem do ataque", disse.

O site especializado em tecnologia Techcrunch reportou que a invasão parece ter sido uma fraude com intenção de coletar a criptomoeda Monero, difícil de rastrear.

Em sua mensagem, os hackers alegavam ter informação confidencial sobre Trump e sua família. Eles instruíram as pessoas a enviarem as criptomoedas para um endereço se quisessem que a informação fosse revelada e para um outro, caso quisessem que permanecesse em sigilo.

Embora a invasão pareça ser parte de um esquema comum de roubo de criptomoedas, o incidente ganhou urgência adicional graças à proximidade das eleições. Especialistas em segurança digital disseram que o incidente pode ter sido causado por um ataque de phishing.

As agências de inteligência dos Estados Unidos têm monitorado de perto grupos de hackers, incluindo equipes apoiadas pelo Irã e pela Rússia, que tentaram invadir sistemas relacionados a eleições e estiveram envolvidos em operações de influência nas últimas semanas.

Há alguns dias, John Ratcliffe, diretor de inteligência nacional, afirmou que hackers disfarçados como membros do grupo de extrema direita Proud Boys enviaram e-mails ameaçadores a eleitores na Flórida. 

Na semana passada, Trump disse em um comício de campanha em Tucson, Arizona: “Ninguém é hackeado. Para ser hackeado, você precisa de alguém com QI de 197 e ele precisa de cerca de 15% da sua senha. ” /AFP e NYT

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.