Situação continua crítica em escola russa, em Beslan

Uma professora, que era mantida refém na escola russa capturada na manhã de quarta-feira por terroristas, disse que pelo menos 1.500 pessoas estão em poder de militantes armados, informou nessa sexta-feira o jornal Izvestia. Oficialmente, as autoridades russas afirmam que o número de reféns é de cerca de 350 pessoas, mas a professora, fazia parte o grupo de 26 mulheres e crianças liberadas nesta quinta-feira, pôs em dúvida as cifras oficiais.A libertação desses reféns deixou algumas pessoas chorando de felicidade, e outros tantos em lágrimas de tristeza. Entre as pessoas liberadas, havia três crianças pequenas, que estavam nuas, aparentemente por causa do calor na escola. Militares tem se negado a permitir entrada de água, alimentos e remédios para os cativos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.