Situação de jornais argentinos também preocupa entidade

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) alertou ontem para o estado "sensível" das relações entre governo e imprensa na Argentina. Segundo a SIP, a presidente Cristina Kirchner "parece ter escolhido o jornalismo como seu inimigo". O presidente da entidade, Alejandro Aguirre, afirmou que, "lamentavelmente, a imprensa argentina continua sofrendo grandes dificuldades", tais como as que a própria diretoria da SIP presenciou em 2009 durante sua reunião anual, realizada em Buenos Aires. NA época, sindicatos aliados do governo Kirchner fizeram piquetes nas portas das gráficas dos principais jornais críticos ao governo, impedindo a circulação dos exemplares.

, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2010 | 00h00

O presidente da SIP também disse que o governo aplica "uma política de antagonismos contra os meios de comunicação argentinos". Segundo ele, em grande parte dos casos, o governo de Cristina age realizando "ataques pessoais" tanto contra jornalistas quanto contra empresários da mídia argentina. O relatório foi apresentado ontem na reunião da SIP em Mérida por Francisco Montes, do "Diario de Cuyo". da cidade argentina de San Juan.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.