Situação em Fukushima é séria, mas segue estável, diz AIEA

Funcionário da agência, porém, admite que ainda pode haver piora nas condições

Agência Estado

17 de março de 2011 | 14h46

 

VIENA - A situação da usina nuclear de Fukushima Daiichi, no nordeste do Japão, não piorou nas últimas 24 horas, mas continua muito séria, afirmou a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Segundo Graham Andrew, assessor especial do diretor-geral da AIEA, a agência acredita que três dos seis reatores da usina sofreram danos em seus respectivos núcleos e que a situação das piscinas de quatro reatores ainda é preocupante, mesmo depois de elas terem recebido mais água para auxiliar no resfriamento das varetas de combustível nuclear.

 

Veja também:

blog Twitter: Siga a correspondente Cláudia Trevisan, que está no Japão

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

mais imagens Galeria de fotos: Tremor e tsunami causam destruição

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995 

 

"A situação continua muito séria, mas não houve piora significativa desde ontem (quarta). Não piorou, o que é positivo, mas ainda é possível que haja piora", disse Andrew. "Podemos dizer que a situação é razoavelmente estável em comparação a ontem."

 

Andrew disse que a AIEA considera adequadas as medidas de segurança adotadas pelo Japão antes do terremoto e do acidente nuclear em Fukushima. "Tenho certeza que o Japão fez a melhor preparação possível", disse Andrew, acrescentando que a combinação de um forte terremoto e do tsunami que o seguiu era imprevisível.

 

"A natureza nos surpreendeu", disse Andrew, ressaltando que a AIEA ainda considera a energia nuclear muito segura. "A probabilidade de um evento como esse é baixa. A indústria nuclear possui um bom histórico de segurança."

 

O terremoto de magnitude 9,0 e o tsunami posterior que atingiram o nordeste do Japão na sexta destruíram boa parte da região e causaram danos ao complexo de Fukushima. Os seis reatores da usina sofreram explosões e incêndios e houve vazamento de material radiativo na atmosfera. Dezenas de pessoas entraram em contato com as partículas nocivas e foram contaminadas. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.