Situação em Mumbai 'ainda é grave', dizem autoridades

A situação em Mumbai continua "grave" após a série de atentados perpetrados desde a noite desta quarta-feira, assegurou na madrugada desta quinta-feira, 27, o chefe do governo regional, Vilasrao Deshmukh.   Veja também: Assista ao vídeo com cenas dos ataques  Série de ataques terroristas mata pelo menos 87 na Índia Itamaraty diz que não há notícias de vítimas brasileiras Chefe da polícia antiterrorista indiana morre em atentados Exército faz invasão e hotel na Índia pega fogo   "Estamos acompanhando a situação (...) A situação não está inteiramente sob controle nos hotéis Taj e Oberoi", disse Deshmukh em entrevista coletiva.   O chefe do governo regional disse que estão desdobradas na cidade cinco colunas do Exército indiano e duas equipes de comandos navais, após os ataques que deixaram pelo menos 80 mortos e 250 feridos.   O ministro do Interior da Índia, Shivraj Patil, viajará ainda na manhã desta quinta-feira (local) a Mumbai, que receberá ainda 200 comandos de elite.   Segundo a Polícia, os terroristas atacaram pelo menos sete pontos da cidade, entre eles a estação de trens Victoria Terminus e os hotéis de luxo Taj e Oberoi.   No hotel Taj, um grupo de terroristas está em poder de vários reféns, entre eles pelo menos cinco estrangeiros.   Durante a madrugada houve um enfrentamento com membros do Exército que iniciaram uma operação de resgate.   "Disseram que eu tinha de aguardar no quarto, que não posso ver o que está acontecendo", relatou de dentro do hotel um hóspede que conversou com a imprensa local.   Segundo a agência indiana "Ians", as autoridades cortaram a luz em quase todo o prédio do hotel, de 22 andares, como medida de precaução.   Deshmukh pediu aos moradores de Mumbai que não deixem suas casas e que mantenham a calma.

Efe,

27 de novembro de 2008 | 01h35

Tudo o que sabemos sobre:
ÍndiaMumbai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.