Situação fica tensa entre militares e Al-Jazira

A difusão pela TV Al-Jazira de imagens de soldados anglo-americanos mortos ou prisioneiros criou uma grande tensão entre os jornalistas da rede e os comandantes da coalizão. A sala reservada à Al-Jazira na base de As Sayliyah, dentro do comando das forças aliadas no Catar, se parece cada vez mais com uma trincheira sitiada em território inimigo."Estou desgostoso pela imagens difundidas. Alguém deverá responder por isso", afirmou ontem, em referência à Al-Jazira, o general John Abizaid, braço direito do general Tommy Franks.Dentro do espaço reservado à emissora, no entanto, no dia seguinte à veiculação das imagens não parece haver muita preocupação. "Fazemos nosso trabalho, estamos em uma guerra", afirmam os jornalistas e técnicos da TV a cabo mais assistida no mundo árabe.A "CNN do Golfo", como é conhecida, e que transmite de Doha, Catar, a poucos quilômetros da base As Sayliyah, não é novata neste tipo de controvérsia.No passado, a Al-Jazira irritou em várias oportunidades os Estados Unidos durante a guerra do Afeganistão, quando transmitiu declarações de Osama bin Laden, o milionário saudita líder da rede Al-Qaeda, e dos chefes dos talebans.Desta vez, no entanto, a relação entre a Al-Jazira e os americanos é pela primeira vez cara a cara, já que o Pentágono permitiu a uma equipe da televisão do Catar ingressar em uma de suas unidades, além de abrir as portas da base do comando central à emissora por satélite e a numerosos veículos árabes.Um enviado da Al-Jazira está atualmente acompanhando tropas americanas que se encontram na zona de Umm Qasr, o porto no sul do Iraque que foi cenário de duros conflitos nos últimos dias."Até agora, nosso jornalista não teve problemas com os soldados", disseram no escritório da Al-Jazira em As Sayliyah, sem, no entanto, citar que as tropas não possuem televisão.As hostilidades estão, ao contrário, abertas no Comando Central, onde os generais têm em conta a Al-Jazira e, principalmente, o que ela transmite ao mundo árabe.A eficiência da Al-Jazira levou a CNN a comprar suas imagens geradas em Bagdá, desde que a rede americana foi expulsa pelo governo iraquiano.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.