Situação 'fora de controle' no Haiti, diz líder argentino

Chefe da força de paz da Argentina aguarda autorização para pousar em Porto Príncipe.

BBC Brasil, BBC

16 de janeiro de 2010 | 12h57

O líder pela força de paz argentina no Haiti, Gabriel Fucks, afirmou neste sábado que a situação no Haiti "está fora de controle".

As declarações do chefe dos Cascos Blancos (capacetes brancos, o braço de ajuda humanitária do governo argentino), segundo a agência de notícias estatal argentina, Télam, foi dada após a chegada da ajuda humanitária.

Fucks disse que a situação piorou e que o estado é de "anarquia" no aeroporto de Porto Príncipe.

O argentino se encontra em um aeroporto a 120 quilômetros de Santo Domingo, a capital República Dominicana. Ele aguarda com uma equipe de médicos e toneladas de remédios e alimentos a autorização para se deslocar para Porto Príncipe, capital do Haiti.

'Caótico'

O controle do aeroporto da capital haitiana foi assumido por militares americanos, que admitem que a situação continua "caótica".

"É ótimo ver tantos países e agências unindo esforços num momento como este. Obviamente, é caótico, mas quando as pessoas unem esforço por um bem comum, é possível transformar o caos em uma coisa boa. E acho que é isso que está acontecendo agora."

Na sexta-feira, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-Moon, fez um apelo internacional para arrecadar US$ 500 milhões em ajuda para o Haiti.

"A maior parte deste dinheiro seria para necessidades urgentes - o estoque de água e comida é crítico", disse Ban em entrevista coletiva na sede da Organização em Nova York.

O secretário-geral afirmou ainda que o Programa Mundial de Alimentação da ONU já começou a alimentar cerca de 8 mil pessoas diversas vezes por dia.

A ONU estima que cerca de 300 mil pessoas tenham ficado desabrigadas devido ao terremoto.

A organização afirma que uma em cada dez casas da capital, Porto Príncipe, foi destruída pelo terremoto de magnitude 7.

Apesar dos esforços da comunidade internacional, autoridades haitianas e agentes humanitários alertaram nesta sexta-feira para a necessidade de aumentar a segurança de equipes de ajuda por medo de saques e ataques, à medida que aumenta a tensão e a raiva entre sobreviventes do terremoto no Haiti.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.