Reuters
Reuters

Snowden diz que vai lutar contra possível extradição para os EUA

'Não estou aqui para me esconder da Justiça. Estou aqui para revelar crimes', disse ex-técnico da CIA

O Estado de S. Paulo,

12 de junho de 2013 | 15h15

(Atualizada às 16h50) O responsável pelo vazamento do esquema de vigilância do governo americano sobre telefonemas e a internet, Edward Snowden, disse nesta quarta-feira, 12, que lutará contra sua extradição para os Estados Unidos e recusou ser chamado de traidor.

"As pessoas que pensam que eu errei ao escolher ir para Hong Kong não entenderam minhas intenções. Não estou aqui para me esconder da Justiça. Estou aqui para revelar crimes", disse Snowden ao jornal South China Morning Post. Minha intenção é pedir à Justiça e ao povo de Hong Kong que decidam meu destino."

Snowden não foi formalmente indiciado nos EUA, nem foi alvo de um pedido de extradição. Caso Washington solicite a extradição, a questão será decidida num tribunal de Hong Kong, onde Snowden poderia argumentar por sua permanência, segundo os advogados. "Não sou traidor nem herói. Sou só um americano", acrescentou o ex-técnico da CIA.

Edward Snowden se refugiou em Hong Kong após revelar os programas secretos de vigilância dos EUA e está tecnicamente livre para deixar o território chinês, disseram advogados locais nesta quarta-feira. De acordo com o jornal, ele afirmou que teve várias oportunidades para fugir de Hong Kong, mas disse: "prefiro ficar e lutar com o governo dos Estados Unidos nos tribunais, porque eu tenho fé no cumprimento da lei em Hong Kong."

Embora tenha certa autonomia, Hong Kong em última instância responde a Pequim, e a China pode exercer seu direito de veto sobre qualquer decisão judicial local. Até agora, não há sinais de que as autoridades de Hong Kong tenham abordado ou interrogado Snowden, visto pela última vez deixando um hotel de luxo no bairro de Kowloon, na segunda-feira.

As autoridades de Hong Kong e da China não se manifestaram. O Departamento de Justiça dos EUA afirma estar na etapa inicial de um inquérito criminal sobre os vazamento.

Snowden disse que não teve coragem de entrar em contato com sua família ou sua namorada desde que revelou ser a fonte do vazamento das informações. "Eu não falei com ninguém da minha família", disse ele ao jornal. "Eu estou preocupado com a pressão à qual eles estão submetidos pelo FBI." Na segunda-feira, dois agentes do FBI visitaram a cada do pai de Snowden na Pensilvânia. /REUTERS e AP

 
Mais conteúdo sobre:
Edward SnowdenEUAHong Kong

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.