Só no Peru, terremoto matou 34 pessoas

As equipes de resgate procuravam neste domingo os mais de 30 desaparecidos do forte terremoto que fez tremer no sábado o sul do Peru, deixando pelo menos 34 mortos e mais de 800 feridos, segundo a Defesa Civil. De acordo com o Instituto Geofísico dos Estados Unidos, o tremor teve uma magnitude de 7,9 graus na escala Richter. No entanto, o Instituto Geofísico do Peru informou que o terremoto foi de 6,9 graus. O terremoto ocorreu às 15h33 locais de sábado (17h33 de Brasília) e durou pouco mais de um minuto.Seu epicentro foi a 82 quilômetros a nordeste da cidade de Ocoña, em Arequipa, a cerca de mil quilômetros de Lima, onde o tremor também pôde ser sentido.A onda expansiva do terremoto também foi sentida no norte do Chile, onde ele deixou cerca de 50 feridos, e, na capital da Bolívia, La Paz. O Peru fica no chamado "círculo de fogo", que começa no continente americano e termina na costa asiática, uma das zonas sísmicas mais ativas do planeta.Nessa área ocorrem 80% dos terremotos do mundo, e os países mais ameaçados são os que dão para o Pacífico. O presidente interino do Peru, Valentin Paniagua, sobrevoou hoje os três departamentos mais afetados, Arequipa, Moquegua e Tacna."Toda a área afetada será declarada em estado de emergência com a adoção de medidas de caráter orçamentário", disse Paniagua a jornalistas na cidade de Tacna, perto da fronteira com o Chile."Peço às autoridades municipais que avaliem a situação, de modo que possamos conhecer com exatidão a magnitude dos danos", acrescentou. Dois aviões Hércules da Força Aérea foram enviados para o sul do país com medicamentos, cobertores, água e alimentos.Segundo Juan Portocarrero, funcionário da Defesa Civil, 10 pessoas morreram no Departamento de Arequipa, 17 em Moquegua e outras 7 em Tacna.Portocarrero disse que, nessas áreas, 868 pessoas ficaram feridas, muitas atingidas por paredes que caíram ou ainda por pedras e outros objetos, e mais de 4 mil tiveram suas casas afetadas ou destruídas. Em Moquegua, um pequeno povoado a 1.369 quilômetros ao sul de Lima, 70% das casas de tijolos e barro foram destruídas. A principal estrada que leva a Moquegua foi bloqueada pelos deslizamentos de terra, prejudicando o envio de remédios e alimentos. Em Arequipa há pelo menos 28 desaparecidos e mais de 300 feridos. Arequipa, fundada pelos conquistadores espanhóis em 1540, é a segunda cidade mais importante do Peru e foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco no ano passado.A catedral de Arequipa - conhecida como "cidade branca" pelo fato de a maioria de seus prédios coloniais ter sido construída com uma pedra esbranquiçada de origem vulcânica - foi seriamente danificada. Sua torre esquerda caiu e a direita corre o mesmo risco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.