Zohra Bensemra/Reuters
Zohra Bensemra/Reuters

Sob bombas e sem água e comida, rebeldes em Alepo resistem

Maior cidade síria é disputada por oposição e tropas; 200 mil pessoas fugiram, segundo a ONU

BBC Brasil, BBC

30 de julho de 2012 | 07h30

ALEPO - Tropas oficiais e rebeldes estão lutando pelo controle da cidade mais populosa da Síria, Alepo, com 2,5 milhões de habitantes. Desde sábado os bairros controlados pelos rebeldes, como Salah al-Din, têm sido bombardeados por tropas oficiais ou são alvo de uma artilharia pesada.

Veja também:

linkEUA dizem que ataque de regime sírio a Alepo é ‘prego no caixão de Assad’

linkTropas de Assad avançam sobre Alepo para retomar norte sírio

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Segundo a ONU, mais de 200 mil pessoas já deixaram a cidade nos últimos dois dias e as que ficaram precisam de ajuda "urgente" - principalmente suprimento de água e alimento.

O correspondente da BBC na região, Ian Pannell, diz que não há energia nem comida na cidade. De acordo com Pannell, as forças oficiais estão mais fortemente armadas que os rebeldes, mas os opositores estão levando a cabo uma eficiente guerra de guerrilha.

Os rebeldes estão armados com bombas de fabricação caseira e fuzis Kalashnikov. Nos últimos dias, eles têm detido integrantes da polícia e outras pessoas suspeitas de trabalhar para o governo sírio.

Os conflitos em Alepo colocam à prova o poderio militar do governo do presidente sírio Bashar Al-Asad. Para a TV estatal, trata-se da "mãe de todas as batalhas".

Ativistas internacionais têm expressado preocupação com a possibilidade de que ocorra um massacre na cidade. Para o secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta, os ataques representam "um prego no caixão de Assad." "Ele perdeu toda a legitimidade", disse.

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

 

Tudo o que sabemos sobre:
alsosiriabashar al-assad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.