Yuri Gripas/Reuters
Yuri Gripas/Reuters

Sob críticas de Pequim, Obama recebe hoje dalai-lama

Encontro com o dalai-lama não será público, afim de evitar novas críticas de Pequim sobre a reunião

AE, Agencia Estado

18 de fevereiro de 2010 | 07h29

O presidente norte-americano, Barack Obama, recebe hoje o dalai-lama para um encontro a portas fechadas na Casa Branca. A reunião deve exacerbar as tensões entre China e Estados Unidos, que vêm crescendo nos últimos meses. Autoridades chinesas advertiram os EUA no início do mês e pediram à Casa Branca que cancelasse a reunião com o líder espiritual tibetano. A China acusa o dalai-lama de lutar pela independência do Tibete. 

 

Veja também:

linkEntenda os recentes atritos diplomáticos

A Casa Branca lançará mão de alguns gestos diplomáticos para reduzir o nível de tensão com os chineses. O encontro com o dalai-lama não será público, ao contrário da reunião do tibetano com o ex-presidente George W. Bush, em 2007. Na época, Bush deu ao líder a Medalha de Honra do Congresso, exasperando os chineses.

O dalai-lama será recebido por Obama na Ala Oeste da Casa Branca, e não na área íntima, como fez o ex-presidente Bill Clinton. Obama e o líder tibetano se reunirão Sala dos Mapas. Nenhum presidente o recebeu no Salão Oval, o que seria considerado a honra máxima.

Robert Barnett, especialista em Tibete da Universidade Columbia, disse que o simbolismo do protocolo é muito importante para a China. O governo chinês teria tentado a todo custo evitar que o encontro fosse público. Segundo Barnett, desde que a China iniciou sua campanha mais agressiva de boicote, Austrália, Nova Zelândia, Alemanha e o papa se recusaram a receber o líder tibetano. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAdalai-lamaChinaencontro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.