Sob pressão, Brasil deve manter posição sobre Honduras

O governo brasileiro não deverá flexibilizar sua posição em relação a Honduras, apesar das pressões que sofrerá durante a reunião de Cúpula do Grupo do Rio. O evento se dará em paralelo à Cúpula da Unidade da América Latina e Caribe, em Riviera Maya (México), nos dias 23 e 25 deste mês.

DENISE CHRISPIM MARIN, Agencia Estado

18 de fevereiro de 2010 | 20h27

Hoje, à imprensa, o chanceler Celso Amorim afirmou que a revisão da posição do Brasil dependerá da conclusão do processo de reconciliação nacional. "Há movimentos no sentido da reconciliação nacional (em Honduras). Mas é muito importante que se completem", reiterou Amorim.

O chanceler igualmente se esquivou de informar qual a posição do Brasil em relação ao retorno do país à Organização dos Estados Americanos (OEA). O país foi suspenso da entidade em julho, poucos dias depois do golpe de Estado que derrubou e exilou o então presidente Manuel Zelaya. "Quando chegar o momento, discutiremos."

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasBrasilgovernoreconhecimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.