Sob pressão do FMI, Egito muda gabinete

Em meio a uma crise econômica que tem acentuado os protestos populares contra o presidente Mohamed Morsi, o governo do Egito trocou ontem 10 ministros, entre eles o de Finanças e o do Interior. A mudança ocorreu na véspera da chegada de uma delegação do Fundo Monetário Internacional (FMI) para encontros com as autoridades egípcias. O tema das reuniões que começam hoje é a concessão de um empréstimo de US$ 4,8 bilhões ao país.

CAIRO, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2013 | 02h10

O pedido de financiamento foi suspenso em dezembro, depois da reação negativa da população a um pacote econômico que incluía o aumento de impostos. Protestos violentos nas principais cidades do país deixaram então pelo menos 10 mortos e o governo deu poder de polícia ao Exército.

As críticas ao governo de Morsi se acentuaram em novembro, quando ele anunciou uma série de medidas centralizadoras que tiraram poder do Legislativo e do Judiciário. A reforma foi reprovada por vários aliados, incluindo os EUA. A porta-voz do Departamento de Estado, Victoria Nuland, classificou as medidas como "preocupantes".

A pressão internacional sobre Morsi aumentou no final do ano, quando um referendo permitiu a aprovação de uma nova Constituição de viés islamista. Grupos defensores dos direitos humanos acusaram o governo de impor uma Carta que reduz a proteção de minorias e, em particular, a das mulheres.

Segundo autoridades do governo, as pastas de Transporte, Eletricidade e Desenvolvimento Local serão conduzidas agora por membros da Irmandade Muçulmana, grupo do qual Morsi faz parte. O presidente encontrou-se com os novos ministros após a posse e discutiu com eles maneiras de revigorar o turismo e atrair mais investidores ao país.

O turismo é a principal fonte de receita da economia egípcia - um em cada oito trabalhadores está no setor - e atraiu cerca de 14 milhões de visitantes em 2010. Em 2011, quando começaram os protestos que levaram à queda do ditador Hosni Mubarak, o número de visitantes caiu 25%. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.