Sob pressão, Jordânia liberta membros de grupo radical

O governo da Jordânia libertou quatro integrantes do Salafi, grupo islamita ultraconservador que ameaçou realizar passeatas pelo país caso seus membros não fossem soltos. Segundo Abed Shihadeh al-Tahawi, líder do Salafi, a libertação ocorreu ontem à noite, após um acordo entre o governo e o grupo.

AE, Agência Estado

12 de abril de 2011 | 14h53

"Nós alertamos que faríamos hoje uma enorme manifestação, o que foi visto como um risco à segurança pelo governo", disse al-Tahawi. "O governo sabe que nós conhecemos como funciona o sistema e que não gostamos de nos sentirmos intimidados pelas forças de segurança".

O próprio al-Tahawi recentemente cumpriu uma pena de prisão na Jordânia por planejar atentados contras as embaixadas de Israel e dos Estados Unidos no país em 2004. Apesar de ter sido banido oficialmente da Jordânia, o Salafi ainda existe na clandestinidade.

O governo jordaniano não respondeu à reportagem sobre os detalhes do acordo. Hoje, mais cedo, dezenas de policiais da tropa de choque foram enviados ao local onde os supostos islamitas fariam o protesto, perto do Ministério do Interior em Amã, interrompendo o trânsito e atraindo a atenção dos pedestres. Nenhum protesto, contudo, ocorreu.

Al-Tahawi disse que isso aconteceu justamente porque as demandas do grupo foram atendidas e ele estava em contato com a polícia. "Quando nossos quatro irmãos foram libertados, cancelamos os protestos", afirmou.

Ele disse que o grupo continuará a insistir na libertação de cerca de outros 300 salafis que estão presos na Jordânia. O grupo é acusado de ter ligações com a rede extremistas Al-Qaeda. A Jordânia tem enfrentado nos últimos meses protestos pacíficos contra o governo, ao contrário do que ocorre em alguns dos seus vizinhos, como a Síria.

Aliada crucial dos EUA, a Jordânia é governada pelo monarca Abdullah II e um parlamento. O rei tem a palavra final na decisão dos assuntos de Estado. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.