Sob pressão, presidente do Iêmen diz que fica no cargo

Após EUA insistirem em transição, Saleh afirma que defenderá seu povo 'com todos os meios'

Agência Estado

13 de maio de 2011 | 12h34

SANAA - O presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, afirmou nesta sexta-feira, 13, que pretende ficar no posto e defender seu povo "com todos os meios", após os Estados Unidos insistirem por um plano de transição "agora" e pelo fim de meses de violência política.

 

Veja também:

blog GUSTAVO CHACRA: Levantes não seguem linha sectária

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

 

"Nós nos defenderemos com todas nossas forças e todos os meios", afirmou Saleh, na capital Sanaa, a partidários. Também na cidade, dezenas de milhares de ativistas fizeram um protesto por sua saída.

Saleh não fez referência direta aos EUA, mas os comentários aparecem um dia após Washington, parceiro de longo prazo do presidente, pedir a Saleh que assine "agora" uma iniciativa liderada por países do Golfo Pérsico prevendo a saída do líder do cargo em um mês.

Hoje, as forças de segurança foram em massa para as ruas da capital, esperando manifestações contra o regime, segundo testemunhas.

 

Estavam também previstos protestos em outras cidades do país. Mais de 175 pessoas foram mortas em protestos contra o regime, segundo ativistas pelos direitos humanos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Iêmenprotestospresidentepressão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.