Sob pressão, Romney divulga imposto de renda

Ex-governador busca novo fôlego nas primárias republicanas após ser derrotado por Gingrich na Carolina do Sul

GUSTAVO CHACRA, CORRESPONDENTE / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2012 | 03h01

Horas depois de ter trocado duras acusações com o adversário Newt Gingrich no debate republicano, o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney divulgou ontem finalmente sua declaração de imposto de renda. Nas semanas anteriores, os rivais diziam que ele estava escondendo algo diante da relutância em tornar o documento público.

A decisão de Romney busca dar um novo fôlego para sua candidatura, que enfrenta um de seus piores momentos. Menos de uma semana atrás, ele era considerado o favorito entre os republicanos para enfrentar Barack Obama nas eleições presidenciais de novembro. Mas Gingrich, ex-presidente da Câmara, obteve ampla vitória na Carolina do Sul e assumiu a liderança nas pesquisas para as primárias da Flórida, na terça-feira.

Segundo a declaração de Romney, um dos pré-candidatos mais ricos da história dos EUA, ele deverá pagar US$ 6,2 milhões em impostos relacionados aos dois últimos anos, nos quais sua renda foi de US$ 42,5 milhões - uma alíquota de 13,9%.

Americanos que recebem salários costumam pagar cerca de 35% na fonte. Romney tem uma taxa menor porque, nos EUA, rendas provenientes de investimentos são taxadas em um valor inferior à recebida em salários. Além disso, o pré-candidato teve isenções por doações a instituições de caridade.

Entre os analistas, há uma divisão sobre como a declaração de imposto de renda de Romney afetará sua campanha. De um lado, os defensores frisam que não houve nenhuma ilegalidade. Outros afirmam que Romney pode ser qualificado pelo Partido Democrata, se for o escolhido do Partido Republicano, como membro do "1% mais rico da população". Até mesmo nas primárias suas contas na Suíça e no Caribe devem ser questionadas.

Gingrich também divulgou seu contrato com a Freddie Mac, uma empresa de empréstimos que está entre as principais responsáveis pela explosão da bolha imobiliária em 2008. O pré-candidato insistiu que seu serviço era de consultoria como historiador, não de lobista.

Esta versão foi insuficiente para evitar ataques de Romney no debate de segunda-feira na Universidade do Sul da Flórida em Tampa. O ex-governador o chamou repetidas vezes de lobista da Freddie Mac. O New York Times também informou que Gingrich atuou como lobista da indústria farmacêutica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.