Ahmed Ramadan/AP
Ahmed Ramadan/AP

Sobe a 22 número de mortos em conflitos no Egito neste sábado

Manifestantes ficaram revoltados com condenação de 21 pessoas à morte por causa de tumulto em estádio

Agência Estado

26 de janeiro de 2013 | 12h32

Subiu para 22 o número de mortos durante conflitos neste sábado na cidade egípcia de Port Said, que tiveram início após um tribunal condenar à morte 21 torcedores e membros de clubes de futebol por causa de um confronto ocorrido na cidade em fevereiro do ano passado. Naquela ocasião 74 pessoas morreram.

Os conflitos ocorreram um dia depois de uma nova onda de violência ter se espalhado pelo Egito por ocasião do segundo aniversário do levante que derrubou o regime do então presidente Hosni Mubarak.

À medida que notícias do veredicto, anunciado no Cairo, se tornaram públicas, parentes dos condenados tentaram invadir a prisão de Port Said onde eles se encontram detidos, iniciando um violento embate com forças de segurança. Agressores não identificados usaram armas automáticas contra policiais, que responderam com gás lacrimogêneo, segundo testemunhas.

Além dos mortos, os conflitos deste sábado deixaram cerca de 200 feridos, de acordo com um comunicado do Ministério da Saúde. Já o Ministério do Interior informou que dois policiais estão entre os mortos e que vários outros oficiais ficaram "gravemente feridos".

A oposição egípcia recentemente ameaçou boicotar a eleição parlamentar do país se o presidente Mohamed Morsi, que enfrenta sua pior crise desde que assumiu o cargo em junho, não encontrar uma "solução abrangente" para os tumultos que dominam o Egito.

A Frente da Salvação Nacional, a coalizão de partidos e movimentos que se opõe aos islamistas do governo, condiciona a sua participação nas eleições à criação de um governo de "salvação nacional", entre outras exigências. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitomortesconflitostorcedores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.