Sobe a 30 número de mortos em atentado no Paquistão

Já são 30 o número de mortos em atentado durante uma procissão xiita em Karachi, a maior cidade do Paquistão. Um suicida detonou os explosivos que levava junto ao corpo durante o evento em que xiitas de todo o país celebram o feriado sagrado da Ashura. Pelo menos 60 pessoas ficaram feridas no ataque.

AE-AP, Agencia Estado

28 de dezembro de 2009 | 16h51

A violência irrompeu após a explosão. Tiros foram disparados para o ar e xiitas irritados lançaram pedras contra as forças de segurança por terem fracassado em evitar o atentado.

O atentado suicida foi o último de um onda de violência que atinge o Paquistão desde que o Exército começou a prender militantes islâmicos aliados à Al-Qaeda e ao Taleban. Ataques terroristas mataram 500 pessoas desde outubro.

Karachi tem sido poupada da violência taleban que atinge a maior parte do país. Mas a cidade é o cenário de violência sectária, étnica e política. Extremistas da comunidade majoritariamente sunita consideram os xiitas hereges e os dois grupos estão há tempos envolvidos em assassinatos mútuos no país.

Após a explosão desta segunda-feira, os manifestantes atearam fogo a um mercado, a outros dois prédios e a vários veículos. Tropas policiais e paramilitares atiraram para o ar para dispersar a multidão. Imagens de televisão mostraram carros de polícia e ambulâncias danificados com as janelas quebradas e portas abertas à força.

O Ministério do Interior informou que o ataque foi realizado por um suicida que detonou seus explosivos no início da procissão. O Esquadrão Antibombas informou que cerca de 16 quilos de explosivos foram usados na bomba.

Ashura

A segurança foi reforçada em todo o Paquistão por causa da Ashura, que é comemorada no décimo dia do mês sagrado de Muharram, mês no qual se comemora a morte do neto do profeta Maomé, ocorrida no século 7.

Muharram é geralmente marcado por atentados a bomba e confrontos entre a maioria sunita e a minoria xiita no Paquistão. Em algumas parte do mundo muçulmano, a Ashura é comemorada no domingo.

O atentado suicida desta segunda-feira foi a terceira explosão a atingir a cidade em vários dias, embora as autoridades digam que a explosão que feriu 30 pessoas no domingo tenha sido causada por acúmulo de gás numa tubulação de esgoto. Também houve protestos após essa explosão. Xiitas incendiaram três carros. No sábado, outra explosão nas proximidades de uma procissão xiita feriu 19 pessoas. As autoridades atribuíram a explosão a fogos de artifício.

Os ataques de hoje aconteceram depois que um suicida atingiu uma procissão xiita no domingo em Muzaffarabad, a capital da Caxemira controlada pelo Paquistão, que matou oito pessoas e feriu 80. A explosão foi um raro ataque sectário numa área que, segundo a polícia, tem pouco histórico de violência militante. Dentre os mortos estão três policiais e outros 10 feridos.

Militantes muçulmanos lutam há décadas para libertar a Caxemira, que foi dividida entre da Índia e o Paquistão e é reclamada pelos dois países.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.