Sobe a 30 número de mortos no Egito

Dezenas de milhares de simpatizantes de Mohammed Morsi saíram às ruas do Cairo e de outras cidades egípcias nesta sexta-feira para protestar contra o golpe de Estado que derrubou o primeiro presidente democraticamente eleito da história do Egito. Eles exigem que Morsi seja reempossado presidente.

AE, Agência Estado

05 de julho de 2013 | 20h25

Soldados posicionaram veículos blindados nas pontes sobre o Rio Nilo e abriram fogo contra os manifestantes. Ao mesmo tempo, uma multidão de islamitas atacou oponentes de Morsi. Em Alexandria, pelo menos 12 pessoas morreram em confrontos entre simpatizantes e oponentes de Morsi, elevando a 30 o número de mortos em episódios de violência ocorridos no Egito nesta sexta-feira. Centenas de pessoas ficaram feridas.

Enquanto isso, um porta-voz do Ministério de Interior do Egito anunciou a detenção de Khairat el-Shater, vice-líder da Irmandade Muçulmana e considerado por muitos a figura mais influente do grupo. Hani Abdel-Latif, o porta-voz, disse que Shater e um irmão dele foram presos na noite de hoje na zona leste do Cairo com base em alegações de "incitação à violência".

Mais cedo, em uma aparição dramática, o líder supremo da Irmandade Muçulmana, Mohammed Badie, prometeu devolver o cargo ao presidente deposto, Mohammed Morsi, e disse que os egípcios não vão aceitar um "governo militar" por mais um dia.

Badie, figura reverenciada entre os seguidores da Irmandade, fez as declarações nesta sexta-feira perante uma multidão de dezenas de milhares de partidários de Morsi no Cairo, enquanto um helicóptero militar sobrevoava a região.

Em reação aos protestos pró-Morsi e ao discurso de Badie, um grupo de opositores do presidente deposto conclamou a população a sair às ruas para deter a "venenosa conspiração" da Irmandade Muçulmana para voltar ao poder.

Por meio de nota, a chamada Frente de Salvação Nacional e grupos jovens alegaram que a Irmandade Muçulmana foi às ruas para "passar ao mundo uma falsa imagem" e conclamou o público a "defender a legitimidade popular". Ainda segundo esses grupos, o exército pode "acabar com essa conspiração" com a ajuda do povo.

Pouco depois do discurso de Badie, uma multidão de seguidores da Irmandade Muçulmana atravessou a Ponte 6 de Outubro em direção à Praça Tahrir, onde opositores de Morsi passaram o dia concentrados. Os dois grupos acabaram entrando em choque, atirando pedras e disparando armas de fogo. A seguir, pelo menos sete veículos militares blindados cruzaram a ponte atrás dos simpatizantes do presidente deposto.

Em Alexandria, Amr Salama, funcionário dos serviços de emergência da cidade mediterrânea, disse que as mortes na cidade mediterrânea ocorreram quando um grupo pró-Morsi avançou contra uma manifestação da qual participantes oponentes do presidente deposto.

No Cairo e em outros cidades egípcias, dez pessoas morreram e 210 ficaram feridas.

Também nesta sexta-feira, o presidente interino do Egito, Adly Mansour, dissolveu o Conselho da Shura (a câmara alta do Parlamento), que assumira o papel de Legislativo do país desde que tribunais dissolveram a câmara baixa do Parlamento. Fontes: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitopolíticaprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.