Reuters
Reuters

Sobe a 41 número de mortos em ataque a mesquita no Afeganistão

Atentado aconteceu quando fiéis reuniam-se para celebrar o feriado islâmico do Eid al-Adha

AE, Agência Estado

26 de outubro de 2012 | 16h21

MAZAR-E-SHARIF, AFEGANISTÃO - Um militante suicida detonou nesta sexta-feira, 26, os explosivos que levava atados ao corpo em frente a uma mesquita no norte do Afeganistão, provocando a morte de pelo menos 41 pessoas e ferindo 56. O atentado, ocorrido na cidade de Maymana, capital da província de Faryab, aconteceu em um momento no qual fiéis reuniam-se para celebrar o feriado islâmico do Eid al-Adha.

As principais autoridades da província, incluindo o governador e o chefe de polícia, estavam dentro do local quando o militante suicida detonou os explosivos no lado de fora, onde uma multidão estava reunida. Nenhum oficial do alto escalão do governo local foi ferido. Segundo o vice-governador, Abdul Satar Barez, entre os mortos estão 14 civis, além de soldados e policiais.

O atentado ocorre apenas dois dias depois de o mulá Mohammad Omar, líder do Taleban no Afeganistão, ter conclamado seus seguidores a "ficarem atentos para evitar vítimas civis", por considerar que seus inimigos buscam atribuir as mortes de cidadãos comuns à milícia fundamentalista islâmica.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), a maioria das baixas civis na guerra afegã foi causada pelo Taleban. No entanto, nenhum grupo ou indivíduo assumiu a autoria do ataque de hoje.

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, condenou veementemente o atentado, classificando seus autores como "inimigos do Islã e da humanidade". "Havia sangue e cadáveres por todo o lado", afirmou o médico Khaled, que estava na mesquita na hora do atentado. "Foi um massacre", disse ele, que como muitos afegãos utiliza apenas um nome.

Com AP

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãoatentadomesquita

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.